sábado, 8 de janeiro de 2011

Descaso da prefeitura com os moradores do conj. popular Lagoa dourada



NÃO HÁ NADA DOURADO NO PROJETO HABITACIONAL LAGOA DOURADA

Danilo George e Carol Miskalo*

Novo projeto popular habitacional da prefeitura “Lagoa Dourada” apresenta problemas e deixam mais uma vez a população em situação delicada.

Segundo Cleusa de Sousa Alves, uma das moradoras que devia ser beneficiada com a casa popular, se queixa que deveria ter se mudado na segunda semana de dezembro, mas sua casa não possui a mínima infra estrutura. Não foram instalados vidros nas janelas, porta nos quartos e banheiro , vaso sanitário. Sem contar que não há instalação elétrica e hidráulica, elementos de infra-estrutura básica para se ter uma moradia digna.

Cleusa afirma ter procurado o Foz Habita, autarquia responsável pelo projeto, que alegou que os responsáveis pelas obras estavam de férias. O que demonstra certa irresponsabilidade já que prometeram a ela que a casa estaria pronta na segunda semana de dezembro.

Um mês já se passou e nada se resolveu, ela continua sem resposta e esclarecimento. Enquanto isso continua pagando aluguel em outro bairro e sendo pressionada pela prefeitura para fazer logo sua mudança para o local.

Não é somente o caso de Cleusa que chama atenção, sua vizinha, a diarista Agripina Irala, mora na casa há 3 meses e disse que chegou na casa sem luz, vidro nas janelas. Para se ter uma idéia da falta de responsabilidade com os moradores do novo conjunto habitacional, nem o relógio de luz foi instalado ainda. Agripina diz que cansou de ir no Foz habita e de não obter resposta, “me disseram que em dezembro resolveriam mas até agora nada”. Cansada pagou do seu bolso por estruturas mínimas que deviam ter sido custeadas pela prefeitura como consta no projeto. Agripina disse ainda que a maioria das casas estão sendo entregues inacabadas e ainda afirma que está há três meses sem luz.

Além dos problemas estruturais nas casas representantes do Centro de Direitos Humanos de Foz do Iguaçu, constataram a existência de um imenso matagal que toma conta do bairro. Além do que as ruas não possuem calçamento e há muita reclamação por parte dos moradores.

Moradia é um direto fundamental da população, não podemos deixar que esse direto seja desrespeitado, o estado deve cumprir com sua obrigação e oferecer no mínimo uma moradia digna.

*Danilo George e Carol Miskalo são membros do centro de direitos humanos de Foz do Iguaçu.

'

Nenhum comentário:

Postar um comentário